Arte decorativa

A arte decorativa surge como uma arte pensada com estrutura de funcionalidade e ornamentação. Em meados dos séculos XVII e XVIII , por uma questão de luxuosidade e exclusividade, a nobreza requisitava artistas para produzir peças diferenciadas, tidas como manufaturas. Este passa a ser projetista, aprimorando e desenvolvendo novas técnicas, havendo assim a necessidade de desenhos, ou seja, esboços de projetos, que fossem a base para a criação dos vários objetos que seriam produzidos. A arte decorativa gera novos caminhos para a concepção artística da época, fazendo com que aplicasse arte em objetos que antes desempenhavam papel funcional. Com o advento do design no período moderno, os artistas passaram a empregar suas habilidades na elaboração de projetos que envolviam o domínio da técnica artística e funcionalidade, tendo como fator relevante a industrialização, responsável pela produção em série e o desenvolvimento tecnológico da nossa civilização.

Surge nesse período uma preocupação com a disposição dos elementos gráficos nos materiais impressos, isto se deve à criação das primeiras bibliotecas que eram privadas. Portanto, o acesso à leitura torna-se uma questão de status e desejo por parte dos aristocratas e burgueses de adquirir livros. Isto resulta na contratação dos artistas, pintores e ilustradores encarregados pela formatação e composição dos livros editados. Mediante essa nova perspectiva de mercado, são feitos novos experimentos com a tipografia, ornamentação para capas de livros e até estudos de objetividade visual. A diagramação das publicações é melhor elaborada, unindo imagens ilustrativas de forma mais criteriosa e legível, dando uma importância maior ao espaçamento em branco. Nesta época, é criado um sistema de fontes que é utilizado até hoje, determinando o tamanho de cada tipo pela quantidade de pontos utilizados em sua estruturação. Os artistas que antes aplicavam à obras de artes uma elaboração conceitual passam a direcioná-la às artes gráficas.

Assuntos relacionados: manufatura | Gobelins | Sèvres | André-Charles Boulle | Encyclopédie de Diderot | William Caslon | François-Ambroise Didot |

Este post é uma reflexão sobre a aula de História do Design ministrada pelo professor Cícero Inácio da Silva, no curso de Design de Mídia Digital da Faculdade Impacta de Tecnologia.

Um pensamento sobre “Arte decorativa

  1. Caros, o comentário está bom. Mesmo assim gostaria de salientar algumas coisas: a palavra “luxuosidade” é bastante estranha. Outra coisa: tentem não ficar tão presos aos textos da própria aula, senão vira uma colagem de conceitos fora de contexto. É melhor explicar detalhadamente a influência de uma coisa “arte decorativa” na outra “design” e vice-versa do que discorrer extensamente sobre várias coisas que são, na maior parte das vezes, repetições do que está publicado no site da disciplina.
    Parabéns pelas 300 palavras! Cicero

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s